ECONOMISTA

“O Piauí em Yale”

A trajetória do economista parnaibano está no livro “João Paulo dos Reis Velloso


João Paulo dos Reis Velloso

João Paulo dos Reis Velloso Foto: Abril

O título não me pertence, tampouco pertence ao autor do livro que li e que me traz aqui para falar menos da obra e mais do seu conteúdo de memória e referencial a um grande piauiense, João Paulo dos Reis Veloso, que aos 38 anos tornou-se o mais jovem brasileiro a ser ministro do Planejamento, em 1969. Tendo saído de Parnaíba, onde o pai funcionário dos Correios não tinha o suficiente para pagar-lhe os estudos, ele chegou à Universidade de Yale, também com bolsa e por seus esforços e determinação pessoais.

A trajetória do economista parnaibano está no livro “João Paulo dos Reis Velloso, sonhos, virtudes e realizações”, de Valdecy Cavalcante, que em boa hora reproduziu integralmente na obra uma crônica de Nelson Rodrigues, intitulada “O Piauí em Yale”, publicada em 1969, em O Globo, no qual dramaturgo descreve um certo espanto com a criação da Universidade Federal do Piauí, mas, sobretudo, deita-se em elogios, que agora vemos necessários, à figura persistente de Reis Velloso, dono de uma “obstinação dramática”, nas palavras de Nelson Rodrigues.

É realmente certo que tenha tido ele uma “obstinação dramática”, como se demonstra no livro, que não se pretende uma biografia, como explicado pelo autor, mas sim a uma narrativa biográfica da trajetória de um homem que se fez por seus próprios esforços, desde os tempos em que estudou em uma escola sobre a qual nem há registros até formar-se técnico na área comercial pela União Caixeral, cujo magnífico prédio é hoje um centro cultural do Sesc, merecidamente com o nome de seu mais bem-sucedido e famoso aluno.

É interessante notar que o livro nos leva à conclusão de que é educação que Reis Velloso avançou até tornar-se ministro, professor, um dos pensadores econômicos liberais mais importantes de seu tempo, formulador do Fórum Nacional, que discutia a economia do Brasil e que economistas, empresários e autoridades políticas apelidaram de Fórum Velloso.

O percurso de Velloso, mostra-nos “João Paulo dos Reis Velloso, sonhos, virtudes e realizações” é o da preocupação com um país com bases econômicas fortemente fincada em fundamentos econômicos de planejamento e na educação. Essa é uma afirmação possível ante o fato de que o economista piauiense é protagonista da fundação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep) e da modernização do IBGE. Hoje, verificando os avanços obtidos pelo Brasil ao longo do último meio século, a gente sabe que isso não teria sido possível sem uma visão de longo prazo que era um dos predicados mais importantes do personagem do livro de Valdecy Cavalcante.

Essa longa trajetória de Reis Velloso, posta em um livro que não se pretende ser biográfico, ajuda a manter viva uma memória importante para o Piauí e o Brasil, de um economista cuja atuação se mantém viva em instrumentais institucionais já citados. Faz bem ainda a nós, piauienses, uma leitura sobre um concidadão nosso que, como muitos, desligou-se da terra fisicamente, mas dela nunca se separou espiritualmente – possivelmente por outra característica bem clara deixada no livro de 155 páginas, que se caracteriza também por justa homenagem a João Paulo dos Reis Velloso.

Álvaro Fernando da Rocha Mota é advogado. Procurador do Estado. Ex-Presidente da OAB-PI. Mestre em Direito pela UFPE. Presidente do Instituto dos Advogados Piauienses.

Próxima notícia

Dê sua opinião: