Olhe Direito!
OLHE DIREITO

Rádio cada vez mais nova

A chegada da TV à maior parte das residências no pós-guerra (anos 50 do século XX) parecia determinar o fim do rádio


O rádio

O rádio Foto: Ascom Senac

O rádio é um dos mais longevos veículos de comunicação. Desde que a transmissão de som por ondas de rádio foi desenvolvida pelo italiano Guglielmo Marconi no fim do século XIX, cento e tantos anos se passaram. O rádio, de lá para cá, prestou-se à comunicação de massas ou ao uso militar e também às propagandas de governo.]
A chegada da TV à maior parte das residências no pós-guerra (anos 50 do século XX) parecia determinar o fim do rádio como veículo de massa, que produziu momentos como a famosa transmissão de uma invasão de marcianos, feita em 1938 por Orson Welles, com a leitura de “A Guerra dos Mundos”, de H.G. Wells, o que  disseminou preocupação e até pânico entre os milhões de ouvintes da Columbia Broadcasting System (CBS) nos Estados Unidos.
A TV com imagem e som viria a acabar com essa força do rádio. Não foi o que se deu, porque logo vieram os transistores e o rádio tornou-se portátil, foi para os carros e agregou a transmissão por frequência modulada, “renascendo” como meio de difusão de notícias, música e entretenimento.
Se a TV não decretaria o fim do rádio, viria a internet para enterrar a TV e o rádio de uma vez só. Porém, não foi o que se deu. A rádio ganhou com a internet mais um meio chegar às pessoas e, para além disso, agregou novos formatos de difusão, como os podcasts. A rádio como que renasceu dentro do espaço da internet.
Hoje, o rádio esá cada vez nais presente no dia-a-dia das pessoas, com mais interação, o que amplia sua característica de instantaneidade, fazendo-o um veículo de informação tanto mais eficiente quanto necessário.
É realmente uma boa notícia, então, que processos de transformação pelo uso de novas tecnologias tenham levado o veículo rádio a ser revigorado e não posto em uma lista de extinção. Tanto melhor ainda é que profissionais de rádio, alguns com anos de batente e vindos de outros tempos, tenham se feito eficientes e renovados, o que para quem que é muito bom para quem faz do rádio um meio recorrente de estar ligado ao mundo.

Fonte: Alvaro Mota

Próxima notícia

Dê sua opinião: