R$ 400 MIL

Caso Marielle: delegado é suspeito de receber propina para obstruir investigação

Um relatório da PF indica que o ex-chefe da Polícia Civil do Rio teria recebido propina de R$ 400 mil para obstruir as investigações do assassinato de Marielle e impedir que os milicianos culpados fossem descobertos


Rivaldo Barbosa

Rivaldo Barbosa Foto: Brasil 247

O delegado da Polícia Civil do Rio de Janeiro Rivaldo Barbosa é suspeito, segundo em relatório da Polícia Federal, de ter recebido propina no valor de R$ 400 mil para obstruir as investigações e impedir que os milicianos culpados pelo assassinato de Marielle Franco e Anderso Gomes fossem descobertos. 

Barbosa, que já chefiou a Polícia Civil do Rio, é citado em uma conversa telefônica como recebedor de propina, como consta no relatório da PF sobre o duplo assassinato de 18 de março de 2018, do qual são acusados os milicianos Ronnie Lessa e  Elcio Queiroz.

"Foram trazidas suspeitas de suposta corrupção envolvendo servidores da Delegacia de Homicídios [DH], especificamente sobre o então chefe da Polícia Civil, Rivaldo Barbosa, e servidores a ele relacionados, notadamente chefes da equipe de investigação da Delegacia de Homicídios", afirmou o delegado federal Leandro Almada, em documento enviado no último dia 2 de maio ao MP-RJ.

O delegado Rivaldo Barbosa negou ao UOL a veracidade das acusações. 

Fonte: Brasil 247 e UOL

Próxima notícia

Dê sua opinião: