MANIFESTAÇÃO

Servidores protestam nesta quinta-feira contra extinção do Serviço Social do INSS

Serviço Social foi extinto através de medida provisória do Governo Federal e atinge mais de 1,5 mil pessoas em todo o país


Ato público em frente ao prédio do INSS, em Teresina

Ato público em frente ao prédio do INSS, em Teresina Foto: Reprodução

Servidores do Instituto Nacional do Seguro Social do Piauí (INSS) vão realizar um ato público a favor da manutenção do Serviço Social da instituição nesta quinta-feira (05). A manifestação será a partir das 8 horas, em frente a Gerência do INSS, ao lado do Luxor Hotel, Centro de Teresina. O movimento deve acontecer em todas as capitais brasileiras.

 A extinção do setor de Serviço Social do INSS ocorreu no mês passado, por meio da Medida Provisória 905/2019 do Governo Federal, e atinge mais de 1,5 mil profissionais concursados em todo o Brasil. 

De acordo com Aurenice Frazão, assistente social prejudicada com a decisão do Governo Federal, o serviço existe há mais de 74 anos na previdência social, mas foi extinto de forma repentina.

“Os profissionais de Serviço Social realizam orientação aos usuários dos serviços ofertados pelo INSS, tanto de forma coletiva, como individual; esclarecem sobre os direitos previdenciários e assistenciais; elaboram pareceres sociais para a viabilização de acesso a benefícios; realizam a avaliação social de pessoas com deficiência, dentre muitas outras atividades”, explica as funções da profissão.

Com o fim do Serviço Social, os servidores temem que o governo retire os cidadãos das agências.

“A  partir da implantação do INSS DIGITAL, o Serviço Social era o único serviço previdenciário que atendia e, ainda está atendendo, presencialmente os usuários do INSS, num momento no qual a lógica institucional e o projeto do atual governo é retirar os cidadãos das agências, dificultando, desta forma, o contato da população com os servidores e serviços do INSS para resolver demandas que não conseguem ser solucionadas por meios digitais e/ou canais remotos”, esclarece.

Na outra ponta, os cidadãos mais prejudicados com a extinção do serviço social são idosos, pessoas com deficiência, com baixa escolaridade e/ou sem acesso à internet e aos meios digitais.

Reunião da Comissão Estadual de Assistentes sociais do INSS Piauí com o CRESS e o SINTSPREVS

“A tendência é que essas pessoas fiquem desassistidas, sem qualquer tipo de serviço especializado e que leve em consideração as suas particularidades e necessidades de atendimento personalizado e humano. Muitas residem em áreas isoladas sem acesso sequer a telefones convencionais, e que têm muita dificuldade para compreender todo o conjunto de mudanças, ou seja, a população mais vulnerável do país”, argumenta.

O presidente do Sintsprevs (Sindicato dos Trabalhadores em Saúde e Previdência Social do Piauí), Antônio Machado, revela ainda que devido à falta de servidores na instituição, um pedido de aposentadoria demora de seis a oito meses para ser concluído.

“A pauta [do ato público] é contra a extinção do cargo de assistente social do INSS e as denúncias de esvaziamento no que tange aos seus benefícios, o acesso a eles e praticamente o sucateamento do serviço público, hoje o INSS está um caos, ninguém faz concurso, não tem reposição de mão de obra e um pedido de aposentadoria demora de seis a oito meses por falta de servidores”, comenta.

Próxima notícia

Dê sua opinião: