CHUVAS

Teresina tem 53 áreas de risco e Defesa Civil traça plano para o período chuvoso

A Defesa Civil já iniciou o trabalho de monitoramento das áreas de risco que sofrem com os efeitos das chuvas em todas as zonas na capital


Defesa Civil durante ação de monitoramento

Defesa Civil durante ação de monitoramento Foto: Arquivo/Semcaspi

Janeiro costuma ser um mês chuvoso em Teresina e como todos sabem, a cidade sofre com os efeitos das chuvas todos os anos. A capital tem 52 áreas de risco que estão sendo monitoradas pela Defesa Civil Municipal. O trabalho de mapeamento das demandas e direcionamento das ações para as áreas mais críticas começou nesta segunda-feira (06). Confira os locais de risco no final do texto!

As equipes da Defesa Civil estão visitando regiões afetadas e já traçou um plano emergencial para atender aos locais em situação mais crítica. Segundo o coordenador da Defesa Civil, Deolindo Nascimento, o órgão vem realizando o monitoramento integrado com as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) e as Superintendências de Desenvolvimento Rural (SDRs), assim como verificando os sistemas de drenagem e realizando limpeza em bueiros a fim de evitar transtornos causados pelas chuvas.

O trabalho da Defesa Civil está orientando os moradores quanto aos riscos da permanência nestas áreas, serviços de atendimento emergencial realizado pelo órgão e ainda sobre os requisitos para inclusão de famílias em situação de vulnerabilidade no Programa Cidade Solidária, um dos serviços socioassistenciais do município. A Defesa Civil reforça que a população deve notificar à equipe quaisquer ocorrências por meio de ligação gratuita no número 153.

Locais considerados de risco e que estão sendo monitorados: 

Zona Sul - Parque da Vitória, Parque Eliane e Irmã Dulce;

Zona Norte - Vila Apolônio, Parque Brasil e Parque Alvorada;

Zona Leste - Vila Mandacaru, Pedra Mole e Vila do Avião;

Zona Sudeste - Pedro Balzi, Vila Verde e Deus Proverá;

Zona Rural -  Povoados Santa Luz, São Vicente e Cajazeira.

Fonte: Com informações da Semcaspi

Próxima notícia

Dê sua opinião: