ENERGIA

Produção de energia solar no Piauí é debatida no Café com Química

O pesquisador que tem um trabalho voltado para os temas sobre energias renováveis no meio rural


Professor e pesquisador Albemerc Moura de Moraes

Professor e pesquisador Albemerc Moura de Moraes Foto: Ascom

“Nós temos três  grandes vertentes do uso de energia solar: a autônoma, a produção de grandes usinas e geração de energia solar distribuída”, afirma professor e pesquisador Albemerc Moura de Moraes, que atua na área de energia solar fotovoltaica. Ele ministrou a palestra sobre a temática no Café com Química, promovido pelo Programa de Ensino Tutorial de Química da UESPI (PET QUÍMICA), nesta sexta-feira (08).

O pesquisador que tem um trabalho voltado para os temas sobre energias renováveis no meio rural, sistemas fotovoltaicos e bombeamento fotovoltaico, explica que a produção de energia no Piauí tem grande potencial e poder ser utilizada de três grandes formas.”A Autônoma eu posso utilizar, por exemplo, para agricultura familiar com o bombeamento de água para o fornecimento. Eletrificar residências no meio rual”, destaca. A segunda vertente ele pontua que é as grandes usinas. “O Piauí é o 3º estado no Brasil com maiores usinas fotovoltaicas. A energia que nós estamos usando, de certa forma, como tem o operador nacional de sistema que gerencia, então parte dessa energia vem de hidrelétrica, termoelétrica e eólica”, diz.

Membros do PET Química com o professor Albemerc Moraes

Membros do PET Química com o professor Albemerc Moraes

Segundo Albemerc , 70% do que é instalado no Piauí é de eólica, em torno de 13% que é solar. “O que nós consumidores estamos usando hoje, parte vem de energia solar de grandes usinas”, ressalta. A terceira vertente para uso de energia solar, vem para democratizar e possibilitar os usuários a contratar uma empresa especializada e implantar um sistema através de uma micro e mini geração distribuída. “O consumidor passar não somente a ser consumidor de eletricidade, mas também produtor”, sinaliza o pesquisador.

O aluno do 2º período de Química, Edson Sousa, disse que as informações do Café com Química de hoje foram muito valiosas. “Eu achei muito legal esse tema. Está presente em nosso dia a dia e dar pra aplicar em nossa vida. Eu moro no interior e lá a gente tem um alto custo com energia e seria uma boa opção colocar um painel solar lá”, diz. Ele também já pensa nas futuras pesquisas com a temática de energia solar.

Aluno Edson  (cinza) durante a palestra sobre energia solar

Alunos de química durante a palestra sobre energia solar

O professor organizador do evento, Reginaldo Santos Silvas, destaca que na UESPI já estão sendo pensados e desenvolvidos pesquisas com a temática da energia solar.”Dentro das linhas de pesquisa do Geratec (Núcleo Interinstitucional de Estudo e Geração de Novas Tecnologias) existem trabalhos em que envolvem catalizadores de energia solar. Especificamente com células de energia solar, esse que transforma energia solar em energia elétrica, tem um trabalho que eu coordeno que envolve células inorgânicas”, comenta. Ele acrescenta que esses são estudos bases para entender como funciona as células, e tentar colocar os resultados das pesquisas como uma tecnologia barata e nova no mercado.

O Café com Química a cada três meses realiza uma palestra com um tem atual, seja da área de exatas e/ou ciências da natureza. Entre os temas debatidos já foram tratados: Educação Ambiental, Farmacologia, Perícia e Cerveja Artesanal.

Profº Albemerc Moraes e Profº Reginaldo Santos

Fonte: Ascom UESPI

Próxima notícia

Dê sua opinião: