SAÚDE

Atenção Básica de Teresina é destaque nacional e alvo de pesquisa da OPAS e ABRASCO

O presidente da FMS, Charles Silveira, conta que Atenção Básica está entre as prioridades de sua gestão


Reconhecimento

Reconhecimento Foto: Ascom

Teresina atingiu cobertura assistencial de 100% pela Estratégia de Saúde da Família e tem desenvolvido estratégias que fortalecem a Atenção Básica, considerada a principal porta de entrada do SUS. A constatação foi feita por pesquisadores da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) e Organização Pan-americana de Saúde (OPAS). Eles realizaram estudo e mostraram os resultados às equipes da Fundação Municipal de Saúde (FMS), nesta terça-feira (05).

Durante a apresentação, os pesquisadores observaram ainda que o fortalecimento da Atenção Básica em Teresina impactou positivamente em indicadores de saúde, como a diminuição da mortalidade infantil e da desnutrição. Houve também melhorias nas estruturas físicas das Unidades Básicas de Saúde (UBS), avanços no processo de capacitação permanente dos servidores e registro de investimento na informatização para otimizar os serviços desses locais.

O presidente da FMS, Charles Silveira, conta que Atenção Básica está entre as prioridades de sua gestão. “Estamos construindo e reformando Unidades de Saúde e, recentemente, iniciamos projeto para proporcionar humanização aos atendimentos. Agora, iremos ampliar o horário de atendimento para o turno da noite em algumas Unidades. Sabemos que a Atenção Básica fortalecida traz reflexos positivos a todos os níveis da assistência”, comenta.

Luís Augusto Fachini, coordenador da rede de pesquisa em atenção primária da ABRASCO, explica que ao longo do ano a equipe de pesquisadores conheceu detalhadamente a rede básica de saúde de Teresina, além do Laboratório Raul Bacelar, Centro de Saúde Lineu Araújo e maternidades. “Foi muito positivo o conjunto de ações realizadas no município e a nossa expectativa é vislumbrar avanços para o trabalho desenvolvido em Teresina, que já é de alta qualidade no contexto nacional”, explica.

Ele ressaltou que em Teresina há mecanismos para garantir a universalização da Atenção Básica, ou seja, o acesso de todos às Unidades Básicas de Saúde. “Outro destaque importante é o plano de cargo, carreira e salários, que organizou a rede de servidores públicos municipais estatutários vinculados ao município. O laboratório Raul Bacelar também é uma maravilha e realiza, com eficiência e agilidade, milhares de exames para as unidades de saúde”.

Para Renato Tasca, coordenador de sistema e serviço de saúde da Organização Pan-Americana de Saúde. “Teresina tem a capacidade de dar alta cobertura (da Atenção Básica) aliada a uma boa satisfação do usuário, em um contexto de população grande, vulnerável, no estado do Nordeste, umas das regiões menos favorecidas do Brasil. O sistema da capital, então, não tem só a capacidade de resolver uma demanda de saúde, mas a capacidade de resolver a uma situação de desigualdade e vulnerabilidade”.

Renato Tasca também explica que o trabalho em Teresina foi desenvolvido por três pesquisadores conhecidos internacionalmente: Ligia Giovanella, Patyy Fidelis de Almeida e Luís Augusto Fachini. “Ainda este ano o estudo, que também engloba informações de Porto Alegre e do Distrito Federal, será publicado e divulgado em meios acadêmicos e na imprensa. Espero que constitua mais um avanço importante para fornecer aos gestores elementos para resolver alguns problemas e desafios encontrados no SUS”, finaliza.

Fonte: Ascom PMT

Próxima notícia

Dê sua opinião: