BELEZA

Aumenta em mais de 140% o número de cirurgias plásticas em jovens

Intenções de procedimentos estéticos no público jovem dobra em período de férias


William Machado

William Machado Foto: Divulgação

Ansiedade, cobranças constantes e insatisfação com próprio corpo. Muitas são as reações negativas causadas por conta do bullying, implicações que geralmente acontecem ainda no ensino fundamental, se intensificando até o ensino médio. Nesta época, muitas meninas e meninos buscam a intervenção cirúrgica.

Na última década houve um aumento de 141% nos procedimentos entre jovens de 13 a 18 anos. Os dados são da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) que ainda aponta a realização de quase 1,5 mi de cirurgia plástica em 2016, ano do último censo realizado. Desse total, 6,6% foram realizadas em adolescentes, ou seja, um total de 97 mil cirurgias. Dentre os procedimentos mais procurados estão a ginecomastia (correção do volume das mamas masculinas), otoplastia (orelha de abano), aumento ou redução de seios e a rinoplastia.

Entre as intervenções cirúrgicas, a de redução de orelha de abano é a que tem os resultados mais satisfatórios. “Em torno dos 7, 8 anos de idade, esta região do rosto já está formada, pronta para ser operada e tem bons resultados, com o retorno da autoimagem”, conta o cirurgião plástico William Machado. O período em que as cirurgias acontecem com maior frequência é durante as férias de julho, mais do que dobrando em comparação aos outros meses do ano. É o que explica o cirurgião plástico ressaltando que “a maioria dos adolescentes que procuram um procedimento estético aproveitam as pausas dos estudos para realizá-los.”.

Para o cirurgião William Machado, a menor idade também pode ser um fator positivo quando se comparado aos pacientes de outras idades. Essa afirmação se aplica à indisponibilidade de doenças, como pressão alta ou diabetes no público adolescente em geral.

Restrições à idade

Cada caso deve ser analisado individualmente, sendo levado em conta exames, as queixas do paciente e a autorização dos pais ou responsáveis. Em momento prévio, durante a consulta, o paciente, responsáveis e médico podem discutir o melhor procedimento e a necessidade real da intervenção. “Por isso é fundamental que os pais participem desse processo e busquem a orientação profissional antes de permitir uma intervenção estética nos filhos adolescentes", enfatizou William Machado.

Fonte: Ascom/Hermeson

Próxima notícia

Dê sua opinião: