SAUDE

Plano de suicídio começa a ser implantado no Piauí

O evento tem por finalidade qualificar profissionais na perspectiva de prevenção ao suicídio e promoção à saúde mental.


Secretário de saúde Florentino Neto

Secretário de saúde Florentino Neto Foto: Ascom

O Piauí  é um dos estados pioneiros na elaboração do  Plano Estadual de Prevenção ao Suicídio, que  consiste em um conjunto de ações adotadas por diversas instâncias governamentais, municipais e sociedade civil para se trabalhar na perspectiva de prevenção ao suicídio e  necessidade de sensibilização das pessoas sobre a importância do cuidado com a saúde mental.

A Secretaria de Estado da Saúde, através da Gerência de Atenção à Saúde Mental, realiza nos dias 12 e 13 de Setembro, Qualificação para profissionais dos municípios pertencentes à região de saúde Vale do Rio Guaribas. O evento acontecerá no Campus Senador Helvídio Nunes de Barros, em Picos. O público alvo são os profissionais de atenção a saúde mental, atenção básica, vigilância epidemiologia e profissionais da mídia.

O secretário de Saúde, Florentino Neto, destaca que esse tema merece total atenção do poder público. “Nós estamos fortemente engajados para garantir que tenhamos profissionais nas escolas, hospitais e unidades de saúde que possam identificar os casos e evitar tragédias”, afirma o gestor. Segundo ele, atualmente os jovens são o grupo de maior risco. “Isso decorre da vulnerabilidade do comportamento, dos conflitos internos, do acesso ao conhecimento por meio da tecnologia e até mesmo da cultura do consumo”, acrescenta.

Para a psicóloga clínica Layone Holanda, palestrante do evento, alguns fatores importantes como alterações bruscas de comportamento, isolamento, alteração no sono, presença de um transtorno mental, histórico familiar de tentativa de suicídio, podem sinalizar que a pessoa está precisando de ajuda. “Não emita conselhos e nem julgamentos, não minimize a dor do outro, encaminhe essa pessoa a ajuda especializada (psicólogo e psiquiatra), tenha uma escuta de acolhimento e apoio, tenha amor pelo seu próximo, estas ações podem salvar vidas”, explica.

"É de substancial importância ações de qualificações direcionadas aos profissionais que acolhem pessoas em sofrimento psíquico, para que sejam trabalhadas abordagens e manejos adequados em situações de risco, e dessa forma, alcançarmos resultados mais significativos nos cuidados em saúde mental.", reforça Virgínia Pinheiro, Gerente de Saúde Mental da Sesapi.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que no mundo todo, aproximadamente, uma pessoa se mata a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos uma pessoa tira a própria vida. Segundo relatório da OMS, 2019, é urgente o estabelecimento de estratégias nacionais, instituindo medidas preventivas e orientações claras para auxiliar a população a lidar com o tema.

Fonte: Ascom Sesapi

Próxima notícia

Dê sua opinião: