FRUSTRAÇÃO

Praias vazias refletem o enfraquecimento do Carnaval no litoral do Piauí

Será o fim do maior Carnaval do Piauí? Turistas procuraram outras opções


Donos de bares reclamam do movimento fraco no Carnaval no litoral do Piau[i

Donos de bares reclamam do movimento fraco no Carnaval no litoral do Piau[i Foto: Jornal da Parnaíba

O que já foi considerado o melhor Carnaval do Piauí está à beira da falência. Agora, o litoral do Estado precisa repensar o seu carnaval para não acabar de vez. O enfraquecimento do movimento no litoral piauiense no período carnavalesco se tornou perceptível nos últimos anos. Já neste ano, o número de foliões diminuiu consideravelmente nas praias e nas ruas. Nem parece Carnaval!

O enfraquecimento do Carnaval no litoral do Piauí pode ser  visto nas praias vazias, barracas pouco frequentadas, hospedarias com baixa procura e na lamentação dos comerciantes. Até os proprietários de casas não conseguiram alugar seus imóveis. Outros alugaram, mas não com  a mesma facilidade dos anos anteriores, em que ocorria a reserva do imóvel com antecedência.  O sábado de Carnaval era o dia mais esperado para os comerciantes, mas este ano eles só tiveram frustração com a queda das vendas.

São vários os motivos que levaram os turistas a procurarem outros destinos neste Carnaval. A principal reclamação dos turistas que frequentavam o litoral piauiense no Carnaval é a falta de estrutura. Todos os anos falta água e energia devido ao grande número de pessoas nas cidades de Luís Correia e Parnaíba. O preço dos hotéis também afasta os turistas e o valor cobrado nos bares não são atraentes. 

Praia de Atalaia nesta terça-feira (25)

SEM CARNAVAL EM LUÍS CORREIA

Todos os anos, empresários de 10 estados se uniam para investir em um carnaval privado em Luís Correia, no litoral do Piauí, fazendo com que se tornasse o quarto maior evento do Brasil. Antes denominado Crocodilo Beach e depois Euphoria, o evento era realizado na Praia de Barramares e reuniu ao longo de vários anos,  grandes atrações nacionais.  

 O evento movimentava R$ 30 milhões para o comércio do litoral piauiense, mas este ano os empresários resolveram não realizar a festa devido ao cenário econômico do país e burocracia. A empresa responsável pelo evento alegou falta de apoio de órgãos públicos municipais. A não realização deste evento foi um dos motivos que levou os foliões a procurarem outros destinos. 

MOVIMENTO FRACO

A economista Teresinha Ferreira disse que está em Maramá, em Luís Correia, e a maioria das casas não foram alugadas. "É uma das praias mais belas do Brasil, mas o movimento está fraco, Falta estrutura, os valores dos produtos para consumo são altos, para sentar numa barraquinha a pessoa não gasta menos de R$ 100. Mas esse movimento fraco também é consequência da economia nacional, as pessoas estão sem dinheiro para ir e vir. Elas preferem ser mais precavidas até porque tem os gastos de início de ano e elas estão pensando bem antes de fazer uma viagem dessas", relata.

Devido à crise financeira, muitas cidades não puderam realizar o carnaval de rua. Parnaíba, no litoral piauiense, garantiu a festa aos foliões, mas a maioria dos foliões eram os próprios moradores do município.

Movimento fraco no Carnaval de Parnaíba

BLOQUINHOS DE RUA FORTALECEM O CARNAVAL DE TERESINA

Antigamente, as escolas de samba faziam o Carnaval de Teresina e deixaram de existir. O Carnaval da capital se renovou e os bloquinhos de rua conquistaram um grande número de foliões nos últimos anos. Em 2020, muitos teresinenses deixaram de viajar e lotaram os blocos de rua da capital. No sábado (22), o Capote da Madrugada, na zona Leste, atraiu 150 mil pessoas. No Sanatório Geral, no Centro, a festa não foi diferente. 

Nessa segunda-feira (24), os blocos A Vaca Atolada e Namorada do Sol arrastaram uma multidão. São mais de 20 blocos carnavalescos distribuídos em todas as zonas de Teresina até terça-feira (25).

Bloquinhos animam o Carnaval de Teresina

"Há dois anos estamos investindo nos blocos, dando uma revitalizada nesse modelo que já é sucesso no Brasil. Geralmente as pessoas viajam, mas acreditamos que mais da metade da população estará na capital, por estarmos com mais opções neste período”, disse o gerente de produção cultural da Fundação Monsenhor Chaves, Paulo Dantas.

Programação desta terça-feira (25)

Batatinha do Louah

  • Horário: 17h
  • Local: Av. Universitária (Zona Leste)

Mela Mela Xarobá

  • Horário: 16h
  • Local: Rua Belchior Barros

Rapazes Alegres

  • Horário: 16h
  • Local: Frente Palácio Música (Centro)

Kebra Kabaça

  • Horário: 17h
  • Local: Praça Cultural do Dirceu (Zona Sudeste)

CIDADES DO INTERIOR

Várias pessoas que optaram por não irem ao litoral do Piauí, escolheram cidades como Água Branca, Barras e Floriano como destino. As festas nestas cidades começaram ainda na sexta-feira (21) e seguem até esta terça-feira (25).

Lotação no Carnaval de Água Branca

Confira as atrações do último dia de Carnaval nas cidades:

Água Branca:

4h – Mela-mela na Orla do Açude

16h – Bloquinho Infantil (Praça Gomes Calado)

22h – Zé Vaqueiro, Léo Cachorrão, Pegadões do Forró na Praça de Eventos


Barras:

22h – Shows com as bandas Boys do Piseiro, Fafá Santana, Muleke Doido e Bill Coimbra no no palco do Balão do antigo Clube de Ouro

22h30 – Espaço Paredões no corredor da folia


Floriano:

19h - Desfile das Escolas de Samba na Avenida Getúlio Vargas

22h - Zé Vaqueiro e Gabriel Levy no Cais da Beira Rio

Próxima notícia

Dê sua opinião: