REUNIÃO

Setores produtivos discutem perspectivas de desenvolvimento industrial do Piauí

Em reunião, economistas e representantes do setor industrial debateram sobre os empecilhos, gargalos e projeções de crescimento do setor econômico e a ampliação de empregos no Estado


Reunião de planejamento

Reunião de planejamento Foto: Ascom

Foi realizada nesta terça-feira, dia 14, a primeira reunião ordinária triênio 2019-2022 do Centro das Indústrias do Estado do Piauí (CIEPI). No encontro foram discutidos temas referentes as perspectivas de desenvolvimento industrial do Piauí, projeção do Fórum 2030 e, sobretudo, o planejamento de pesquisas do perfil da indústria estadual.

Com a presença de economistas e dos principais representantes dos setores produtivos do Estado, a reunião levantou a discussão sobre os empecilhos, gargalos e projeções do crescimento do setor econômico e a ampliação da oportunidade de empregos no Piauí como reflexo de destaque nacional.

Economistas Marcio Bras (assessor do CIEPI), Teresinha Ferreira (assessora da SEPLAN) e  Fernando Galvão (Gerente da Seplan) , Superintendente da CEPRO  Liege Moura e o presidente do CIEPI Andrade Junior

Um dos temas enfáticos da reunião foi a formação da comissão para planejar o Fórum 2030. Em 2010, a então Associação Industrial do Piauí discutiu no seu auditório com a sociedade sobre os rumos do Piauí para 2020, a partir daí surgiu um documento com diversas demandas para promover o desenvolvimento do Estado em todas as áreas de infraestrutura, comércio e indústria, e verificando as principais dificuldades naquele momento.

Naquele ano foram feitas 65 propostas, destas apenas nove foram cumpridas, compreendendo cerca de 14%.  O industrial e ex-presidente do AIP, Ezequias Costa Filho, relata alguns problemas que impedem o crescimento industrial do Estado e propostas não cumpridas por representantes governamentais.

“Hoje temos vários dilemas a resolver como a questão da infraestrutura, expansão do cerrado, agricultura na região norte piauiense, limites para novas fontes de energia, temos como fazer um bom aproveitamento de agricultura, agropecuária, afinal temos hoje só a cana; a questão da mineração que há dez anos parecia ser uma grande saída para o Piauí, principalmente mineração de ferro; falava-se na construção de uma siderúrgica. Então deixo um questionamento, nós somos de fato empreendedores mesmo, temos esse DNA empreendedor e se não temos o que podemos fazer para melhorar?”, questiona.

O presidente do Centro das Indústrias do Estado do Piauí (CIEPI), Andrade Júnior, faz uma análise do que foi cumprido nos últimos dez anos referente às propostas, e informa as perspectivas para o ano de 2020.

“Chegamos em 2020. É necessário que façamos uma nova prospecção de cenários para que tenhamos um Piauí mais desenvolvido. Percebemos que chegamos neste ano com muita pouca coisa ou quase nada feito do que colocamos como prioridade, como a transnordetina que praticamente não saiu do lugar; questão do saneamento básico e esgotamento sanitário, no qual mantemos o mesmo percentual de casas atendidas; então nós iremos rever nesse Fórum 2030, discutir novamente e imaginar um Piauí de desenvolvimento”, relata.

Fonte: Icone Comunicação

Próxima notícia

Dê sua opinião: