EDUCAÇÃO

UFPI realizará Curso de Capacitação para evitar ocorrência de fraudes nos sistemas

Curso será destinado às Comissões de Validação de Autodeclaração étnico racial e toda a comunidade da UFPI, UESPI e IFPI


UFPI

UFPI Foto: Divulgação

Para garantir a segurança e a correta ocupação das vagas para políticas de ações afirmativas (cotas), a Universidade Federal do Piauí (UFPI) promoverá um Curso de Formação das Comissões de Validação de Autodeclaração (ou Comissões de Heteroidentificação). O curso acontecerá nesta quinta-feira (16), das 14h às 18h, e sexta-feira (17), das 8h às 12h. Foram convidadas as Pró-Reitorias de Ensino da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e do Instituto Federal do Piauí (IFPI).

Considera-se procedimento de heteroidentificação a identificação por terceiros da condição autodeclarada para as cotas étnico-raciais pelos candidatos às vagas para ingresso nos cursos de graduação. O papel das Comissões de Heteroidentificação, portanto, consiste na análise das autodeclarações nas inscrições, por meio de realização de entrevista presencial e análise de documentação.

O Curso de Capacitação será realizado pelo Prof. Dr. Adilson Pereira dos Santos, da Pró-Reitoria de Ensino de Graduação da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), que possui larga experiência em trabalhos de pesquisa voltados às questões de raça e etnia, além de ser responsável pela capacitação de heteroidentificação de Comissões de Validação em Alagoas e outros estados do País.

Sobre o Curso, a Profa. Romina Paradizo, Pró-Reitora de Ensino de Graduação e ligada às Comissões, destaca sua relevância e utilidade como ferramenta de garantia de direitos. "Tem sido um desafio, mas um desafio gratificante e muito importante. Precisamos deixar claro que o objetivo dessas comissões é evitar as fraudes que acontecem no sistema de cotas, principalmente cotas raciais. E diante da ocorrência de denúncias de fraudes nós, como instituição, estamos trabalhando para minimizar ao máximo, até eliminar por completo, esse tipo de problema. E qual o problema disso? É que você tira o direito de quem é de direito. Ou seja, na cota que seria para uma pessoa preta, se permite que entre uma pessoa branca; na cota para uma pessoa indígena, se permite que entre uma pessoa que não é. E essa é nossa preocupação", afirma.

Além das Comissões de Heteroidentificação, a UFPI é pioneira na utilização de sistema on-line desenvolvido pela Superintendência de Tecnologia da Informação (STI) em apoio à PREG para registro e acompanhamento das autodeclarações. Segundo a Profa. Romina Paradizo, com o sistema a Universidade tem "mais apoio, segurança e agilidade nos processos de validação".

A Prof. Dra. Djanira Lopes, coordenadora de Desenvolvimento e Acompanhamento Curricular da UFPI, também participa das Comissões de Heteroidentificação e ressalta a importância do sistema on-line para as Comissões. "Em 2019.2, os campi fizeram 1029 análises no período de matrícula institucional. E o sistema foi importante porque os candidatos puderam fazer todo o preenchimento das informações online. Quando comparecem presencialmente para serem avaliados pela Comissão, as informações já estão na plataforma, o que acelera o procedimento. Os alunos recebem a resposta em minutos e quem não foi deferido já pode solicitar o recurso no formulário online e submetê-lo a uma Comissão Recursal", explica.

Estarão presentes na abertura do Curso as pró-reitoras Nayana Pinheiro Machado (UESPI) e Laura Andrade (IFPI). A aproximação entre as pró-reitorias de graduação da UFPI, UESPI e IFPI tem como objetivo fortalecer o ensino público gratuito de qualidade no estado. E, além da presença de estudantes, professores, servidores e das suas respectivas comissões, o Curso contará com a presença de pessoas dos campi de Picos, Bom Jesus, Floriano e Parnaíba da UFPI. Já há mais de 70 inscritos. 

Fonte: UFPI - Coordenadoria de Comunicação Social

Próxima notícia

Dê sua opinião: