PIAUÍ

Funcionários da Equatorial são presos por cobrarem propina de R$ 2 mil a consumidores

Os funcionários presos são lotados em Floriano, mas atuavam em Canto do Buriti


Fachada da Equatorial

Fachada da Equatorial Foto: Reprodução

Dois funcionários terceirizados da Equatorial Piauí são suspeitos de cobrar R$ 2 mil de propina para consumidores que eram flagrados desviando energia elétrica, o famoso "gato". Os funcionários foram presos nessa quinta-feira (30), em Canto do Buriti.

O crime foi denunciado à polícia pela própria Equatorial, após a empresa receber uma denúncia anônima sobre a prática ilegal dos dois funcionários. A Equatorial formalizou a denúncia junto ao Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO).

Os funcionários presos são lotados em Floriano, mas atuavam em Canto do Buriti. Eles não tiveram os nomes divulgados. A Polícia Civil acredita que mais vítimas devem procurar a delegacia para denunciar os suspeitos.

A Equatorial divulgou uma nota de esclarecimento e disse que continuará adotando as providências cabíveis ao caso. Veja  a nota:

"A Equatorial Piauí informa que, ao tomar conhecimento, via denúncia anônima ontem (29), de suspeita da prática do crime de concussão por colaboradores terceirizados que atuavam em Canto do Buriti, região Centro Sul do Estado, formalizou notícia-crime junto ao Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO).

Na manhã de hoje (30), em operação conduzida pela Polícia Civil em Canto do Buriti, foram presos em flagrante dois colaboradores da empresa parceira responsável pelos serviços de fiscalização na região, depois de constatado o recebimento pela dupla de valores de clientes para evitar a autuação de irregularidades.

A Empresa esclarece que tem acompanhado as investigações da Polícia e que a prestadora de serviços adotará as providências cabíveis ao caso.

A Equatorial Piauí faz valer um rígido código de ética para seus colaboradores próprios e terceirizados e não compactua em nenhuma hipótese com práticas como a que levou à prisão dessas duas pessoas".

Próxima notícia

Dê sua opinião: