RELAÇÃO ÍNTIMA

Mensagens revelam que vítima e assassino mantinham um relacionamento íntimo: veja!

Conversa no celular de Ítalo Rodrigo revela intimidade com o acusado do crime


Delegado Francisco Costa, o

Delegado Francisco Costa, o "Baretta", coordenador do DHPP Foto: PAULO PINCEL/PH

Mensagens de WhatsApp trocadas entre Ítalo Rodrigo do Nascimento, 16 anos, e R. B. F. C, também de 16 anos, revelam que os dois tinham uma relação íntima, inclusive com insinuações e pedidos de envio de nudes pela vítima. As mensagens foram resgatadas no celular de Ítalo, morto em casa pelo ex-amigo de escola.

O conteúdo da conversa foi divulgado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa no começo da noite desta quarta-feira (17). O coordenador do DHPP, delegado Francisco Costa, o Barêtta, revelou que o assassino premeditou o crime, inclusive amolou a faca utilizada para matar Ítalo Rodrigo.

As mensagens revelam que Ítalo estava interessado em manter uma relação sexual  com R.B.F.C., tanto que pediu nudes [negado pelo agressor]. A vítima subestimou a perversidade do amigo, que já tinha tudo premeditado.

Usando mensagens de duplo sentido, o assassino persuadiu a vítima a se encontrar com ele em casa, na terça-feira (16), dia seguinte da postagem da conversa. Ítalo foi amarrado sem esboçar reação, teve os olhos vendados, talvez pensando em algo diferente do que aconteceria. E foi morto com uma profunda facada na nuca.

“Até pago”  

Baretta revelou que Ítalo e R.B. conversaram um dia antes sobre um encontro. "A vítima era homossexual, marcaram um encontro, a vítima disse que ficava sozinha pela manhã, então o encontro foi marcado a partir das 9 horas. O acusado premeditou tudo, verificou a rota de chegada, saídas, se a casa tinha câmeras. Ele relatou que passou a noite amolando a faca do crime, pois ele queria esquartejar a vítima. Inclusive nas conversas ele perguntava se a vítima tinha problemas no coração, pois queria degustar o órgão. O adolescente apreendido revelou que queria fazer uma fotografia comendo o coração da vítima”, disse o delegado.

O acusado persuadiu a vítima, segundo Baretta,  "que teve suas mãos amarradas para trás e ele revelou também que tinha o propósito de fazer um atentado em uma escola que ele estudava. Ele estava tentando conseguir uma arma de fogo e um facão. No depoimento ele estava muito frio, insensível, não demonstrou nenhum arrependimento. Por se tratar de um menor, foi feito o auto de prisão em flagrante, só que a diferença é por ato infracionário doloso. Temos 10 dias, nós vamos encaminhar o caso para a Delegacia do menor infrator”, acrescentou.

Sozinho

O delegado lembrou que Ítalo estava sozinho em casa por estar de férias. “O pai e a mãe sairam de casa, a irmã dele também. Só que ela teve um contratempo e avisou a vítima que estaria retornando. Neste momento, o acusado já estava com o adolescente. No depoimento ele conta que se apressou em matar a vítima. E não esquartejou o jovem [porque não teve tempo]. Dali ele já foi para o Satélite e lá foi encontrado ainda com a faca e um livro que ele gostava de ler sobre um serial killer”.






Ítalo Rodrigo, a vítima entendeu errado o conteúdo da conversa... e acabou morto.

Fotos: Reprodução/DHPP

Fonte: DHPP

Próxima notícia

Dê sua opinião: