INVESTIGAÇÃO

Preso suspeito de matar empresário em Piracuruca; crime foi motivado por uma dívida

A polícia descobriu que o homem saiu com o empresário para visitar terrenos na zona rural da cidade


Adefranço de Brito Aguiar

Adefranço de Brito Aguiar Foto: Arquivo pessoal

O suspeito de assassinar o empresário Adefranço de Brito Aguiar, mais conhecido como "Coutinho das Petas", de 48 anos, se apresentou espontaneamente na Delegacia de Polícia Civil de Piracuruca, no Norte do Piauí. O empresário foi encontrado morto na tarde de quarta-feira (1º), em um matagal na zona rural de Piracuruca. O suspeito não teve o nome revelado e o motivo do crime seria  a cobrança de uma dívida.

De acordo com o delegado Hugo Alcântara, responsável pelas investigações, a Justiça já havia expedido um mandado de prisão preventiva contra o suspeito após as investigações apontarem que ele foi a última pessoa a ser vista com o empresário. Os dois haviam saído juntos no carro do empresário para visitar terrenos na zona rural por volta das 16h da última quarta-feira.

"O suspeito decidiu manter silêncio. Não temos detalhes. O que sabemos é que eles saíram juntos e ele foi o último a ser visto com a vítima. Além disso, ele tinha uma dívida com o empresário, porque os dois tinham negócios juntos", explica o delegado.

Ainda de acordo com Hugo Alcântara, a família de Adefranço informou que os dois já tinham um desentendimento por conta dessa dívida. A principal hipótese é que o crime foi motivado por questões financeiras. A família do empresário relatou ainda que ele estaria cobrando a outro empresário uma dívida de R$ 85 mil, referente a venda de um imóvel. 

O empresário foi morto com cinco golpes de faca. Inicialmente, a polícia suspeitava de latrocínio, pois o veículo da vítima não foi encontrado. Posteriormente, o carro foi achado em outro local e tinha bastante sangue. A polícia suspeita que a discussão começou dentro do veículo e que o autor do crime usou o carro da vítima para fugir, abandonando em seguida. O corpo e o carro foram achados na manhã de quinta-feira (02).

Desde o dia do crime, a Polícia já ouviu oito pessoas entre familiares Até o momento, oito pessoas já foram ouvidas pela polícia. O caso segue em investigação e o inquérito deve ser concluído em até 10 dias.

Fonte: Polícia Civil

Próxima notícia

Dê sua opinião: