OPERAÇÃO BACURI

STF concede liberdade a ex-prefeito do Piauí preso por desvio de dinheiro

Ex-prefeito de Sebastião Leal, José Jeconias, foi preso acusado de desvio dinheiro público no início de dezembro com mais oito pessoas na Operação Bacuri


José Jeconias, ex-prefeito de São Sebastião

José Jeconias, ex-prefeito de São Sebastião Foto: Arquivo pessoal

O ministro Dias Tofooli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu liberdade ao ex-prefeito de Sebastião Leal, José Jeconias Soares de Araújo, preso no início deste mês durante a Operação Bacuri, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), do Ministério Público Estadual. A decisão do STF foi publicada na última quinta-feira (26).

O ministro coloca o processo nas mãos do TJ-PI e determina “ao Tribunal de Justiça estadual que substitua a prisão preventiva do paciente pelas medidas cautelares diversas, que julgar pertinentes”.

Presidente do STF, ministro Dias Toffoli

Após o recesso da instituição o caso será revisto pela relatora do processo, a ministra Rosa Weber.

Leia mais: STF determina que Governo do Estado repasse R$ 600 mil para Defensoria Pública do Piauí

OPERAÇÃO BACURI

A Operação Bacuri prendeu nove pessoas no início de dezembro, entre os quais o prefeito de Bertolínia, Luciano Fonseca, o pai Aluízio José de Sousa, a mãe Eliane Maria Alves da Fonseca e esposa dele, Ringlasia Lino Pereira dos Santos. Também foram presos Max Weslen Veloso de Morais Pires, Ronaldo Almeida da Fonseca, Rodrigo de Sousa Pereira, Kairon Tácio Rodrigues Veloso e Richel Sousa e Silva.

José Jeconias se entregou à Gaeco após as prisões. A Operação Bacuri desarticulou uma organização criminosa que atuava no desvio de recursos públicos. Os investigados também são suspeitos de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e crimes licitatórios. Segundo o Gaeco, durante as buscas e apreensões na operação, foi constatado por meio de um documento que José Jeconias teria participação na organização criminosa, se beneficiando em licitações fraudulentas, contratos irregulares e recebendo valores desviados do município.

Próxima notícia

Dê sua opinião: