Wellington vai pedir autorização para novo empréstimo de R$ 1 bilhão no exterior

Mensagem do empréstimo deve chegar em agosto à Assembleia, revela Rafael Fonteles


Rafael Fonteles presta conta do 1º quadrimestre de 2019 na Alepi

Rafael Fonteles presta conta do 1º quadrimestre de 2019 na Alepi Foto: Caio Bruno/Alepi

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), vai enviar, até agosto, Mensagem à Assembleia Legislativa, pedindo autorização para contratar empréstimo externo de R$ 1 bilhão destinado a investimentos. A revelação foi feita pelo secretário de Estado da Fazenda, Rafael Fonteles, durante a apresentação do relatório financeiro do 1º quadrimestre de 2019.  As receitas totais do Estado cresceram 11,19% de janeiro a abril, enquanto as despesas caíram 6,42%.

A redução das despesas e o aumento das receitas possibilitaram um superávit financeiro de R$ 473 milhões. Com isso, o Estado aumentou a capacidade de endividamento ao reduzir o índice de comprometimento das Receitas Correntes Líquidas (RCL), que chegaram a R$ 8,9 bilhões em 12 meses. Segundo Rafael Fonteles, a Dívida Consolidada Líquida (DLC) caiu de R$ 4,3 bilhões para R$ 2,5 bilhões. Assim, o Piauí está apto a contrair novos empréstimos para investimentos.

Rafael Fonteles explicou que as receitas totais chegaram a R$ 3,2 bilhões e as despesas atingiram R$ 3,087 bilhões, totalizando R$ 200 milhões a menos em relação ao primeiro quadrimestre de 2018. O gestor afirmou que as despesas de custeio (manutenção da máquina administrativa) diminuíram 13%, assinalando que, em 2020, o Estado terá equilíbrio financeiro passando a pagar em dia não só a folha de pessoal, mas aos seus fornecedores.

A audiência pública foi presidida pelo deputado Nerinho (PTB) e contou com a presença do presidente da Alepi, deputado Themístocles Filho (MDB), e dos deputados João Madison (MDB), Francisco Limma (PT), líder do Governo; Elisângela Moura (PCdoB), Cícero Magalhães (PT), Evaldo Gomes (Solidariedade), Francisco Costa (PT) e Flora Izabel (PT).


Fonte: Alepi

Próxima notícia

Dê sua opinião: